Acorda Cidade - Versão Mobile

João Doria, o passado requentado e uma ovada que roubou a cena

Na falta de fatos recentes, os aliados lembraram que o bisavô dele, João Agripino da Costa Dória, foi prefeito interino da capital baiana em 1895, logo após a proclamação da República.
08/08/2017 11h46
Foto: Alexandre Galvão/ bahia.ba

Os incidentes ontem na Praça Municipal, quando João Doria, prefeito de São Paulo, foi atingido por um ovo pouco antes de receber o título de Cidadão de Salvador, parecem estar dando a medida de quão acirrada será a disputa de 2018 na Bahia. João Doria, que é presidenciável, veio a Salvador em um ato político, tudo requentado.

Na falta de fatos recentes, os aliados lembraram que o bisavô dele, João Agripino da Costa Dória, foi prefeito interino da capital baiana em 1895, logo após a proclamação da República. O avô, João Agripino da Costa Dória Neto, foi deputado federal pela Bahia cassado em 1964.

A oposição também requentou uma infeliz declaração dele de 20 anos atrás, de 1987, quando era presidente da Embratur, e sugeriu no Ceará que o governo federal cortasse verbas destinadas a irrigação e transformasse a seca do Nordeste em uma atração turística, algo interpretado como um deboche com o flagelo nordestino.

Agora, o ato político que ele protagonizou, a concessão de um título de Cidadão Soteropolitano, veio com a ovada que acabou roubando-lhe a cena. Óbvio que democracia é o direito de se, se posicionar. Mas isso não pode ser confundido com o direito de agredir. Senão, degringola. As informações são da coluna de levi Vasconcelos, no bahia.ba. 

Whatsapp
Google+

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.