Acorda Cidade - Versão Mobile

Gilmar Mendes pede suspensão da Venezuela de órgãos eleitorais do Mercosul

Em ofício encaminhado ao Instituto Interamericano de Direitos Humanos e Promoção Eleitoral (IIDH), o ministro pediu providências e disse que o país perdeu a independência e a capacidade de garantir eleições livres em função das denúncias de manipulação nas eleições para a Assembleia Nacional Constituinte.
05/08/2017 07h19
Foto: Reprodução

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, pediu ontem (4) a suspensão da Venezuela de órgãos eleitorais da América do Sul. Em ofício encaminhado ao Instituto Interamericano de Direitos Humanos e Promoção Eleitoral (IIDH), o ministro pediu providências e disse que o país perdeu a independência e a capacidade de garantir eleições livres em função das denúncias de manipulação nas eleições para a Assembleia Nacional Constituinte. “Os fatos são conhecidos por todos. A Venezuela passa por um longo processo de redução do espaço democrático, incluindo a suspensão de eleições constitucionalmente agendadas, prisões políticas, a repressão de manifestações pacíficas, entre outras violações dos direitos humanos”, disse Gilmar Mendes.

Hoje (5), os chanceleres do Mercosul, bloco formado por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai, vão se reunir em São Paulo para tomar uma decisão definitiva sobre a situação da Venezuela com base no Protocolo de Ushuaia, que inclui uma cláusula democrática que pode levar à suspensão política do país no bloco. Desde 1º de abril, a Venezuela vive uma onda de manifestações a favor e contra o governo, muitas delas violentas e que já deixaram cerca de 100 mortos e mais de mil feridos. O governo Maduro deu posse nesta sexta-feira a uma nova Assembleia Nacional Constituinte, que a oposição não aceita. A iniciativa foi criticada pelo Mercosul, bloco do qual a Venezuela também faz parte, mas está suspensa por causa dos conflitos políticos.

Whatsapp
Google+

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.