Acorda Cidade - Versão Mobile

PSOL pede que STF reveja imunidade e inclua Temer entre investigados

O inquérito específico em que a legenda entrou com recurso se refere à apuração do pagamento de vantagens indevidas em um processo licitatório que o Grupo Odebrecht participou dentro do Plano de Ação de Certificação em Segurança, Meio Ambiente e Saúde .
17/04/2017 15h31
Foto: Divulgação

O PSOL questiona o argumento da Procuradoria-Geral da República (PGR) de que Michel Temer (PMDB), citado inúmeras vezes por delatores da Lava Jato, tem imunidade temporária por ser o presidente da República e não pode ser investigado por fatos anteriores ao mandato. O inquérito específico em que a legenda entrou com recurso se refere à apuração do pagamento de vantagens indevidas em um processo licitatório que o Grupo Odebrecht participou dentro do Plano de Ação de Certificação em Segurança, Meio Ambiente e Saúde (PAC SMS). O único investigado é o senador Humberto Costa (PT), mas o ex-presidente da Odebrecht Engenharia Industrial Márcio Faria da Silva detalhou um encontro no escritório político de Temer, em São Paulo, no dia 15 de julho de 2010, e afirma ter sido acertado pagamento de propina de US$ 40 milhões ao PMDB, valor referente a 5% do contrato da empreiteira assinado com a Petrobras, que totalizava US$ 825 milhões. O partido discorda da interpretação da PGR de que o artigo 86, parágrafo 4º, da Constituição, impede processar o presidente por fatos estranhos ao exercício das suas funções. Os socialistas sustentam que “a imunidade prevista pela Constituição Federal à responsabilização de Presidente da República por ato estranho ao exercício de suas funções não alcança a fase pré-processual” e afirmam que um arquivamento referente ao peemedebista “causa inequívoco prejuízo ao direito de toda a população brasileira” de “ver devidamente apurada a existência de infração penal”. As informações são do bahia.ba. 

Whatsapp
Google+

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.