Acorda Cidade - Versão Mobile

Polícia Civil de Feira instaura inquérito para apurar fraude em bingo beneficente

De acordo com a delegada Ludmila Vilas Boas, a polícia já identificou dois acusados de organizar o bingo, entre eles Wanderson Walter Danilo Lima, de 27 anos, que teria ganhado o Grand Siena.
17/04/2017 12h30
Foto: Ed Santos/ Acorda Cidade

Laiane Cruz

Atualizada às 16h32

A Polícia Civil de Feira de Santana instaurou um inquérito para apurar a ocorrência de fraude em um bingo beneficente realizado na tarde de ontem (16), em um campo de futebol, no bairro São João, em Feira de Santana, e que gerou muita confusão entre os participantes, após perceberem que tudo se tratava de uma fraude.

Revoltadas com a situação, algumas pessoas começaram a jogar pedras e depois incendiaram os carros que estavam sendo supostamente sorteados. Cinco veículos faziam parte da premiação: três carros (uma Frontier, uma S 10 e um Grand Siena ) e duas motocicletas, além de uma premiação em dinheiro no valor de 2 mil reais. No entanto, apenas o prêmio em dinheiro e as motos, seriam de fato sorteados. Os demais prêmios já estavam com cartelas marcadas, e os falsos ganhadores eram na verdade pessoas contratadas pelos organizadores.

(Carros foram queimados após descoberta da fraude | Foto: Ed Santos/ Acorda Cidade)

De acordo com a delegada Ludmila Vilas Boas, a polícia já identificou dois acusados de organizar o bingo, que são Wanderson Walter Danilo Lima, de 27 anos, que teria ganhado o Grand Siena, e um homem identificado apenas como Edcarlos, que apontou ainda uma terceira pessoa envolvida no caso, que seria o contratante da fraude.

“Não há dúvidas que houve fraude, eles foram ouvidos, trazidos pela Polícia Militar ontem e ouvidos pelo delegado de plantão. Nós instauramos agora um inquérito policial e vamos encaminhá-lo ao setor de defraudações da 2ª delegacia para apuração. O inquérito será presidido pela delegada Cleonice Moraes do Espírito Santo, que vai conduzir o procedimento, de forma a elucidar o crime”, informou a delegada.

(Wanderson Walter confessou ter participado de fraude | Foto: Ed Santos/ Acorda Cidade)

Ainda segundo Ludmila Vilas Boas, a polícia está buscando informações junto à delegacia da cidade de Paulo Afonso, de onde os acusados vieram, a fim de se chegar ao máximo de pessoas envolvidas no episódio de ontem. “Os organizadores são todos da cidade de Paulo Afonso, e a gente suspeita que eles já vinham agindo naquela região, pela organização e a forma como organizaram o evento aqui em Feira”, disse.

A delegada afirmou que Wanderson Walter Danilo Lima, de 27 anos, é co-autor do crime de estelionato e veio para participar da fraude. Ela explicou que ele foi ouvido e liberado devido a um entendimento do delegado de plantão, que tem o poder dentro da lei, de optar ou não pela prisão em flagrante. Além disso, Ludmila Vilas Boas, esclareceu que somente após tomar conhecimento da prática na cidade foi possível tomar as medidas cabíveis.

“Nós não temos como antever as situações que ocorrem. Contudo, uma vez havendo a distribuição dessas cartelas e sendo noticiado à Polícia Civil, ela tomará as medidas cabíveis. Agora quando a gente não tem conhecimento de que isso está circulando na cidade e só depois um fato desse acontece, a gente realmente toma as atitudes. As pessoas devem evitar esse tipo de prática, e as pessoas que tomam conhecimento de que estão sendo vendidas essas cartelas, que venham e comuniquem a gente para evitar que uma coisa dessa venha a acontecer”, orientou.

Ludmila Vilas Boas declarou também que ainda não foi possível saber quantas pessoas perderam dinheiro com o bingo, pois nem todas foram na delegacia prestar a queixa. Ela acrescentou que a Polícia Civil irá concluir o procedimento, encaminhar à Justiça e os autores podem ser condenados de um a cinco anos de prisão.

O tratorista Everaldo Pereira de Souza, da cidade de Coração de Maria, foi um dos participantes do bingo e após o ocorrido foi até a delegacia, na manhã de hoje, para prestar queixa. Ele disse que pagou R$ 25 em duas cartelas e achou estranho que logo nos primeiros prêmios apenas uma pessoa era premiada.

“Os prêmios que saíram logo, em todos só batiam um. Aí o pessoal começou a falar. Na hora que chegou na cartelinha que o cara falou que era de Feira de Santana e deu o endereço, o pessoal disse que não conhecia. Foi quando começou a confusão”, relatou.

Everaldo Pereira afirmou que sempre participa desses eventos, e tomou conhecimento do bingo beneficente, em Coração de Maria, através de amigos. Ele disse que, na hora que as pessoas descobriram a fraude e queimaram os carros, preferiu observar de longe. O tratorista afirmou também que uma média de 2 a 3 mil pessoas participaram do evento.

Com informações do repórter Ed Santos do Acorda Cidade.

Whatsapp
Google+

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.