Acorda Cidade - Versão Mobile

Temer tem pior avaliação entre os chefes do Executivo, diz Ibope

penas 9% dos entrevistados classificam como boa ou ótima a gestão do atual presidente.
17/04/2017 11h51
Foto: Reprodução/Agência Brasil

Pesquisa Ibope divulgada pelo colunista José Roberto Toledo, do jornal O Estado de S. Paulo, mostra que o presidente Michel Temer tem a pior avaliação entre os chefes do Executivo. Apenas 9% dos entrevistados classificam como boa ou ótima a gestão do atual presidente. O índice alcançado pelo peemedebista é um ponto inferior ao registrado em março e quatro abaixo do apontado em setembro. A pesquisa foi concluída antes da divulgação da lista dos políticos investigados no Supremo Tribunal Federal (STF) com base nas delações da Odebrecht. “Defensores do presidente costumam dizer que a desaprovação é geral, que a revolta é contra todos os políticos. Pode ser, mas com Temer é pior, bem pior. A taxa de ótimo e bom dos governadores é mais do que o dobro da do presidente: 22%. E a dos novos prefeitos, quatro vezes superior à de Temer: 37%”, destaca Toledo. De acordo com o jornalista, na média, governadores e prefeitos tiveram melhora de avaliação em comparação com os dados levantados pelo Ibope em dezembro de 2015, quando o instituto fez esse tipo de pesquisa ao mesmo tempo nas três esferas de governo. Na época, Dilma era a presidente.Em média, a aprovação aos governadores cresceu três pontos e a dos prefeitos pulou de 24% para 37%. Para o analista, três motivos justificam a má avaliação de Temer em comparação com governadores e prefeitos: desemprego maior, renda menor e reforma da Previdência. Quando Dilma chegou a um dígito de ótimo/bom, em 2015, o então vice-presidente afirmou que seria difícil para ela manter-se no cargo por mais três anos. Dilma caiu sete meses depois. Para José Roberto Toledo, Temer tem mais chances do que sua antecessora de seguir no comando do país mesmo com apenas um dígito de popularidade por cinco motivos. Entre eles, a rejeição ao presidente (56%) ainda é inferior ao pior momento de Dilma (70%, em dezembro de 2015), ele não tem um vice querendo o seu lugar e falta alguém que queira entrar em seu lugar imediatamente. com informações de O Estado de São Paulo e do Congresso em Foco. 

Whatsapp
Google+

Comentários

AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Acorda Cidade.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Acorda Cidade pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.